PUBLICIDADE
Topo

GV CULT - Criatividade e Cultura

Contos oníricos (III)

GvCult - Uol

02/11/2021 06h07

Cena de Iara (Jessica Córes) Crédito: Netflix

Por Bernardo Buarque de Hollanda

Aconteceu justo naquele dia, data de seu aniversário. O despertar de Iara da cama foi iluminado pela vela flamejante do bolo carregado pelo pai. A casa ia aos poucos sendo aquecida pelo sol, que banhava os contornos da cidade, e pelo azul do céu, que abraçava o mar encrespado. Com um sopro seco, a menina apagou ao mesmo tempo a chama da vela e o semblante feliz de um pai coruja.

Iara, aquele pequeno lume de beleza, segundo definição paterna, completava sete anos e, desde o seu nascimento, irradiava vida na casa descascada pelo tempo. O pai, depois de entregar o bolo, foi buscar o presente na sala e voltou com um aquário repleto de peixes nadando n'água cristalina. Era um aquário ao que possuía d. Glória, a vizinha que deixava Iara passar as tardes observando aquele palco de mar miúdo e límpido, com luz e água borbulhantes. A surpresa atiçou a menina, que ondeava alegria.

Para a aniversariante, um mundo melhor havia naquele aquário habitado por peixes, alguns rubros, outros alaranjados, todos listrados. Pedrinhas e plantas em miniatura adornavam aquele retângulo envidraçado. Preferia-o mesmo à vista da Lagoa Rodrigo de Freitas, que da varanda do seu apartamento podia contemplar. Ficava assim a perquirir, com um olhar fluvial, cada serzinho, indo e vindo, como o sentido do mar. Eram olhos aguados, a um tempo ternos e esmaecidos, que a cada fluxo e refluxo pareciam estar mais submersos. Ávida por detalhes, perguntava para d. Glória tudo que lhe vinha à mente a respeito dos cardumes, o que a custo de muita paciência era possível saciar.

Como não queria causar mais incômodos à vizinha, o pai resolveu oferecer à filha aquele aquário que agora luzia em um canto do quarto. À medida que descrevia e mostrava os detalhes de cada peixe, o pai narrava a origem de Iara e sua ligação com os rios. Contava que existiam as iaras, mas também as mães-d'água e as sereias, os caboclos da Amazônia e os canoeiros de lua cheia, os barqueiros do rio São Francisco e toda uma série de estórias que, entremeando-se com a paisagem do aquário, iam compondo oceanicamente a imaginação daquela menina.

Edição Final: Guilherme Mazzeo

 

Sobre o editor

Guilherme Mazzeo é coordenador institucional do GvCult, graduando em Administração Pública pela FGV-EAESP. Um paulista criado em Salvador, um ser humano que acredita na cultura e na arte como a direção e o sentido para tudo e para todos. A arte é a mais bela expressão de um ser humano, é a natureza viva das coisas, a melhor tradução de tudo. Só a cultura soluciona de maneira sabia e inteligente tudo, a cultura é a chave para um mundo melhor, mais justo, livre e próspero! Devemos enaltecer e viver nossas culturas de forma que sejamos protagonistas, numa sociedade invasiva e carente de: vida, justiça, alegria e força.

Sobre o Blog

O GV Cult – Núcleo de Criatividade e Cultura da FGV desenvolve atividades de criação, fruição, gerenciamento, produção e execução de projetos culturais e de exercícios em criatividade.