PUBLICIDADE
Topo

GV CULT - Criatividade e Cultura

Inimaginável

GvCult - Uol

04/02/2021 06h11

Dorothea Tanning, Eine Kleine Nachtmusik 1943 © DACS 2021

Por Vítor Steinberg

Em 1992, "O Silêncio dos Inocentes" concorreu ao Oscar junto com "A Bela e a Fera". Em 1895, a psicologia nasceu no mesmo momento que o cinema. Oito milhões de toneladas de plástico são jogadas no mar por ano. Não tínhamos energia elétrica há meros 150 anos. Ao nascer nenê na realeza, a marinha dá vinte e um tiros. O maior partido político do mundo é o Partido Comunista da China, com oitenta e sete milhões de integrantes. Um ciclo de Júpiter são doze anos. A dança de acasalamento dos cisnes dura três horas. Morfina não bate tanto se você não sabe que ingeriu. Não se sabe onde está o túmulo de Alexandre – O Grande, que morreu aos 32 anos e conquistou a Pérsia com seu cavalo Bucéfalo.

Em cinco mil anos de história, temos apenas 230 anos de paz na Terra. Abdul Kassem Ismael puxava quatrocentos camelos em sua viagens, só para transportar seus livros. Os índios se recusaram a ser escravos. A ideia de fazer a barba era exclusiva do exército do Império Romano. Antes de receber o nome Brasil, nosso país teve oito nomes: Pindorama, Ilha de Vera Cruz, Terra Nova, Terra dos Papagaios, Terra de Vera Cruz, Terra de Santa Cruz, Terra Santa Cruz do Brasil, Terra do Brasil e Brasil desde 1527. O nome completo de Campinas-SP é Nossa Senhora da Conceição das Campinas do Mato Grosso. Samuel Beckett ouvia Caetano Veloso. Zé Celso já brigou com Godard. Nietzsche foi o melhor amigo de Wagner e foi filmado catatônico.

Homero era cego e nunca escreveu uma só linha, foi tudo tradição oral. Freud usava cocaína. Quando um nobre cobrou de Beethoven que a música encomendada ficasse pronta mais rapidamente, assinou como "proprietário de terras". Beethoven, respondendo, alegou que a música ficaria pronta quando bem entendesse, assinando: "proprietário de um cérebro".

A gente está acostumado a ver sete cores no arco-íris. Alguns povos espalhados pelo mundo não concordaria conosco. Um oriental vê catorze cores. Outro, em outro lugar do mundo, apenas quatro. Na Zâmbia, um grupo vê nada mais que duas.

A tribo distribui a realidade a partir de duas interpretações do mundo: plantas nutritivas e medicinais e plantas venenosas. Seu conhecimento da realidade é arquitetado completamente a partir disso.

La Monte Young, compositor norte-americano, compôs uma peça musical em que a partitura descreve a seguinte instrução:

"Deixe uma borboleta (ou qualquer número de borboletas) em liberdade no local de recital. Deixe as portas e janelas abertas e ninguém deve impedir seu vôo. A composição só termina quando a borboleta voar para fora."

Edição Final: Guilherme Mazzeo

 

Sobre o editor

Guilherme Mazzeo é coordenador institucional do GvCult, graduando em Administração Pública pela FGV-EAESP. Um paulista criado em Salvador, um ser humano que acredita na cultura e na arte como a direção e o sentido para tudo e para todos. A arte é a mais bela expressão de um ser humano, é a natureza viva das coisas, a melhor tradução de tudo. Só a cultura soluciona de maneira sabia e inteligente tudo, a cultura é a chave para um mundo melhor, mais justo, livre e próspero! Devemos enaltecer e viver nossas culturas de forma que sejamos protagonistas, numa sociedade invasiva e carente de: vida, justiça, alegria e força.

Sobre o Blog

O GV Cult – Núcleo de Criatividade e Cultura da FGV desenvolve atividades de criação, fruição, gerenciamento, produção e execução de projetos culturais e de exercícios em criatividade.