Blog GV Cult

Walter Benjamin e Paul Zumthor (IV): ocaso da civilização escrita?

GVcult

Por    Bernardo Buarque de Hollanda

McLuhan aponta para o estágio atual de transição de uma Era Mecânica, assentada no livro, a uma Era Eletrônica, alicerçada na televisão.

“… as relações de comunicação constituem

a estrutura de sustentação e desenvolvimento

de todo o processo da história”.

In: Civilização escrita e cultura de massas

Emmanuel Carneiro Leão

A conclusão da série sobre a oralidade e a escrita no mundo moderno será feita na coluna de hoje com apoio nas ideias de Marshall McLuhan (1911-1980). A leitura do canadense suscitou-nos a identificação de alguns pontos de contato das teses do autor com os textos de Benjamin e Zumthor. McLuhan aponta para o estágio atual de transição de uma Era Mecânica, assentada no livro, a uma Era Eletrônica, alicerçada na televisão.

Segundo sua formulação, divulgada nos anos 1960 com “A galáxia de Gutenberg”, o alfabeto e a imprensa foram os dois instrumentos principais para o desenvolvimento da escrita na história ocidental. O influxo de uma nova revolução tecnológica no século XX coloca em xeque os fundamentos da civilização calcada na leitura.

O alfabeto foi responsável não apenas pela promoção do ato de ler em nossa sociedade, mas também pela hipertrofia do olhar em detrimento dos demais órgãos dos sentidos. Estes até então se integravam em um conjunto harmônico de percepção do mundo, sem noção de perspectiva. O desequilíbrio sensorial acarretou o fim da vivência totalizadora e instaurou uma visão, por assim dizer, unidimensional. A separação entre realidade e palavra estabeleceu a necessidade de um grande esforço do ser humano na decodificação e na decifração da linguagem alfabética.

Já a imprensa substituiu o papiro e o pergaminho, típicos do Império Romano e da Idade Média, pelo livro e pelo papel. Estes possibilitaram o alargamento do alcance de uma mensagem, ao mesmo tempo em que fundou uma relação interpessoal entre autor e público, entre remetente e destinatário. Como veículo abstrato, a obra impressa dispõe informações, baseadas na relação cognitiva olho-cérebro. Mas de forma paralela acentua o individualismo, isolando o homem da participação e da convivência interpessoal.

O aparecimento da noção mcluhiana de aldeia global permite ao homem contemporâneo a recuperação da ideia de uma unidade comunitária, de uma totalidade vital e de um novo equilíbrio entre os órgãos dos sentidos. Diante da televisão, a civilização escrita vê-se reduzida em razão de seu caráter linear e fragmentário, causal e sequencial. Os laços globais do ser humano procuram ser refeitos em meio a uma mutação radical no universo da comunicação.

O ponto de convergência dessa tese com o pensamento de Benjamin diz respeito à suposição de que a imprensa segregou o convívio direto de pessoa a pessoa, ante a dissolução dos vínculos comunitários. A comunicação oral tornou-se qualitativamente distinta de um mundo embotado de informações.

De acordo com o filósofo Carneiro Leão: “Mesmo quando uma conversação é aparentemente menos carregada de informação, o simples fato de falar em grupo, de se estabelecer um encontro, mobiliza uma participação do todo. A palavra escrita só tem uma forma. O livro é uma forma para todos. Um interlocutor, ao contrário, é uma totalidade, dando e tomando parte num conjunto”. (Aprendendo a pensar I, Petrópolis: Vozes, 1991, p. 160).

Quanto a Zumthor, as semelhanças com as perspectivas de McLuhan dão-se na ênfase da literatura como um fenômeno pontual e transitório na história do Ocidente. Neste sentido, a volta do predomínio da fala e da audição na cultura de massas, através das séries radiofônicas e televisivas, por exemplo, possibilita uma projeção mais auspiciosa para a tradição oral e menos alvissareira para a tradição escrita em nossa sociedade, no limiar da humanidade do terceiro milênio.

Edição      Enrique Shiguematu

Bernardo-Buarque-de-Hollanda-1024x213