PUBLICIDADE
Topo

GV CULT - Criatividade e Cultura

As palavras de Guimarães Rosa (III): Estas Estórias

GvCult - Uol

27/10/2020 06h18

João Guimarães Rosa pelo sertão de Minas Gerais em suas inventadas, em 1945, na chamada: "Grande excursão a Minas".

Por Bernardo Buarque de Hollanda

Há em João Guimarães Rosa uma constante tentativa de rebuscamento da linguagem e de esmero do estilo. Rebuscar aqui não quer dizer escrita difícil, antes procura 're-buscar'. Constata-se nele uma incessante busca da experiência linguística, no sentido de suscitar novas formas de contar uma mesma estória (daí porque escreve estória, não história) e de compor novas palavras que remetam ao seu sabor primeiro – o sumo da palavra.

Guimarães Rosa funda a sua própria língua, na medida em que, trazendo à baila as expressões, as locuções, o vocabulário e a gramática da fala do homem comum brasileiro em sua comunicação oral. Na senda aberta por Mário de Andrade, Rosa revela toda a fusão das matrizes portuguesas, africanas e indígenas que compõem a nossa língua.

Sendo assim, em continuidade à série que começamos com "Manuelzão e Miguilim" e com "Tutaméia", eis a etimologia das palavras grafadas na leitura de "Estas estórias":

– Angico: árvore do gênero Piptademia, da família das leguminosas mimosóideas, de madeira utilíssima.

– Anserino: relativo a pato e a ganso.

– Araticum: do tupi, árvore do cerrado, da família das anonáceas, cujos frutos, enormes bagas múltiplas, doces, perfumadas e agradáveis ao paladar, chegam a pesar 2 quilos e cujas flores são amplas e coriáceas.

– Arraigar: ar + raigar, criar raízes.

– Avoengo: relativo a avós.

– Binga: isqueiro tosco, usado no interior.

– Cacimba: cova que lhe recolhe a água dos terrenos pantanosos.

– Caiçara: do tupi, estacada de proteção, à volta das tabas ou aldeias indígenas, cerca feita de varas ou galhos, ramos de árvores postos dentro da água como armadilha de peixe, curral, cercado de madeira, à margem de um rio ou igaparé navegável, para embarque de gado, palhoça, junto à praia, para abrigar as embarcações ou apetrechos dos pescadores.

– Capanga: espécie de bolsa pequena, usada a tiracolo por viajantes, para conduzir pequenos objetos.

– Carmesin: cor vermelha muito viva.

– Cirro: nuvem constituída de cristais de gelo dispostos em pequenos filamentos brancos ou estreitas faixas da mesma cor e situada a grandes altitudes.

– Cuieira: Amazonas e Pará. Árvore baixa, de caule tortuoso, flores solitárias, grandes, esverdeadas ou amarelo-pálidas, com estrias roxas, que fornece madeira castanho-amarelada, dura e forte, própria para marcenaria, e cujo fruto baga é usado como vasilhas, cuias e instrumentos musicais; cabaceira, árvore-de-cuia, cuité, coité.

– Desairoso: deselegante, inconveniente.

– Embornal: saco ou bolsa, geralmente usada a tiracolo para transportar alimentos, ferramentas, etc.

– Ferrabrás: de Fier-à-bras, nome de um gigante sarraceno que aparece nas canções de gesta do século XII.

– Gabiroba, murici e grão-de-galo.

– Garbo: elegância, galhardia, primor, distinção.

– Gaturamo: pássaros pequenos, de dorso azulado ou esverdeado, região central amarelada, frugívoros, e muito apreciados em viveiros e gaiolas, por seu canto e suas cores ornamentais; conhecem-se no Brasil 15 espécies de gaturamo: tem-tem, guturamo, teitei, tieteí, vim-vim, bonito-do-campo.

– Guaxe: do tupi, waxi, ave passeriforme do Brasil Central para o Sul, de coloração preta, dorso inferior e uropígio vermelho-vivo e bico claro, japuíra, japuí, japujuba, xicu, bauá, xexéu-bauá, joão-congo, japim-de-costa-vermelha.

– Idílio: amor poético e suave, composição de caráter pastoril.

– Ipueira: lagoeiro formado nos lugares baixos pelo transbordamento dos rios, e onde as águas, em geral piscosas, se conservam meses a fio.

– Ínvio: em que não há caminho, intransitável, impérvio.

– Itambé: monte agudo e escarpado, precipício e despenhadeiro.

– Itapicuru: grande árvore da família das leguminosas, que habita as florestas da Bahia e do Espírito Santo.

– Lacônico: conciso, breve, resumido.

– Oitiva: ouvido, audição.

– Matungo: cavalo sem raça; cavalo velho, sem préstimo; pilungo.

– Pinguela: gatilho; pauzinho com que se arma o laço para apanhar.

– Pixaim: do tupi apixa'i, couro da cabeça crespo.

– Poitar: lançar ao fundo do mar.

– Restilo: Maranhão, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso, cachaça, aguardente.

– Sanhudo: que causa medo, temível.

– Sapecar: o tupi, queimar levemente, chamuscar, crestar.

– Sesga: olíqua, torcida.

– Suindara: ave estrigiforme, da família dos titonídeos, comum em todo o Brasil, exceto na Amazônia.

– Tapera: do tupi, ta'pera, aldeia extinta, habitação ou aldeia abandonada, casa arruinada, fazenda inteiramente abandonada ou em ruínas.

– Taquari: arvoreta das copeiras secas; seus ramos novos são fistulosos e servem para fazer canudos de cachimbo".

– Touceira: grande touça ou moita, parte da árvore que fica viva no solo depois de cortado o caule da árvore, cepa.

– Tremembé: terreno alagadiço, apaulado, muitas vezes coberto de vegetação aquática.

– Vibrissas: pelos que crescem nas fossas nasais.

– Xará: xarapa, xarapim, xero, tocaio.

Junto ao glossário, compartilhamos algumas frases do livro:

"Dobrei pra o Monjolinho, na croa da vereda". (p. 146)

"A primeira vez que Argemiro dos Anjos viu Luisinha foi numa manhã de dia de festa santo, quando o arraial se adornava com arcos de bambu e bandeirolas, e o povo se espalhava contente, calçado e no trinque, vestido cada um com a sua roupa melhor…" (p. 153)

"Comi araticum e fava doce, em beira de um cerrado eu descansei". (p. 157)

"… e bastava-lhe um dia de repouso, para compreender que estava num fundo-de-saco, pois que aquele lugarejo era a boca do sertão". (p. 162)

"Cassiano Gomes tirou suas deduções e tocou riba-rio, sempre beirando o Guaicuí,que só vadeou no lugar bonito – com frangos d'água chocando ovos no fundo dos quintais, com uma lagoa no centro do arraial – chamado Jequitibá; isso enquanto Turíbio Todo, um pouco além norte, fazia uma entrada triunfal em Santo Antônio da Canoa, onde ainda ousou assistir, muito ancho, às festas do Rosário, com teatrinho e leilão". (p. 163)

"… bordando espirais em torno do eixo da estrada-mãe". (p. 164)

"Turíbio todo se encrespou torto, uniu os dentes; e olhos que coriscou raiva". (p. 172)

"A calma e a tristeza do povoado eram imutáveis, com cantigas de rolas fogo-apagou e de gaturamos, e os mugidos soturnos dos bois. E a placidez do ambiente ia lhe adoçando a alma, enquanto que a cara ficava cada vez mais inchada, em volta dos lábios laivos azulados, e a doença lhe esgarçava o coração". (p. 180).

"… estava um dia certo, de casamento de raposa ou de viúva, com uma chuvinha diáfana, oblíqua e apressada, correndo aqui e ali para disputar com o sol (p. 182)

"O caguinxo tirou a faca e o fumo, o que, na convenção das estradas sertanejas, indica o desejo de puxar conversa.". (p. 183)

"O outro bateu a binga e tirou uma fumaça comprida, com o que pareceu criar coragem". (p. 184)

"… sua capacidade de ignorar os grandes escoamentos de tempo…" (p. 194)

"Na serra, verde-malaquita, arquipélagos de reses, muito alvas, pastando, entre outras ilhas, vermelhas, do capim barba-de-bode". (p. 194-195)

"Mas é alarmantemente simpática" (p. 206)

"Depois, cintura fina, abrangível; corpo triangular de princesinha egípcia… Mas a sua maior beleza está nos olhos: olhos grandes, pretíssimos, de fenda ampla e um tanto oblíqua, electromagnéticos, rasgados quasemente até às têmporas, um infinitesimalzinho irregulares; lindo! Tão lindos, que só podem ser os tais olhos Ásia-na-América de uma pernambucana – pelo menos de uma filha de pernambucanos, quando nada de meia ascendência chegada do Recife…" (p. 206)

"Podemos desmerecê-lo, quebrar-lhe a potência de acumulador de mágoas e espalhador de saudades". (p. 212)

"… o denso de ainda noite, o azul e o açúcar". (p. 215)

"…coisa mais bonita do que uma boiada não existe, a não ser o pio do patativo-borrageiro, que é a tristeza punctiforme, ou a Lapa do Maquiné, onde a beleza reside". (p. 222)

"…só pra ver uma mudinha de cambú a medrar da terra de-dentro de um bucaro no tronco de um camboatã.".

Edição Final: Guilherme Mazzeo

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o editor

Guilherme Mazzeo é coordenador institucional do GvCult, graduando em Administração Pública pela FGV-EAESP. Um paulista criado em Salvador, um ser humano que acredita na cultura e na arte como a direção e o sentido para tudo e para todos. A arte é a mais bela expressão de um ser humano, é a natureza viva das coisas, a melhor tradução de tudo. Só a cultura soluciona de maneira sabia e inteligente tudo, a cultura é a chave para um mundo melhor, mais justo, livre e próspero! Devemos enaltecer e viver nossas culturas de forma que sejamos protagonistas, numa sociedade invasiva e carente de: vida, justiça, alegria e força.

Sobre o Blog

O GV Cult – Núcleo de Criatividade e Cultura da FGV desenvolve atividades de criação, fruição, gerenciamento, produção e execução de projetos culturais e de exercícios em criatividade.