Blog GV Cult

Walter Benjamin e Paul Zumthor (III): da voz à letra

GVcult

O romancista é a culminância do indivíduo atomizado, isolado, do ser solitário carente de comunicação e incapaz de dar conselho.

 

A inflexão na relação entre a oralidade e a escrita é resultado da invenção da imprensa e da propagação do livro impresso a partir do século XVI. A escrita, até então condicionada às convenções da leitura em grupo, do domínio de conhecimento religioso ou da performance teatral, passa a ser uma atividade encerrada em si própria. Os efeitos dessa transformação no âmbito da literatura, longe de constituírem para Benjamin um mero sinal da decadência cultural do mundo moderno, significam um fenômeno global que se inscreve no processo dialético-secular das forças produtivas. No afamado ensaio do autor alemão, o narrador e o romancista serão os dois protótipos que encarnam essa mudança histórica entre o contar e o escrever.

A figura do narrador é constituída por oposição à do romancista. A cultura oral desagrega-se nos tempos modernos com a consolidação da tipografia. Tomando-se cada vez mais residual, entre o “rastro” e o “resto”, como sugerem Sabrina Sedlmayer e Jaime Ginzburg em coletânea dedicada a Benjamin, a faculdade de narrar e de intercambiar experiências é mantida apenas entre alguns expoentes da literatura, à maneira de um Nicolai Leskkov ou de um Edgar Allan Poe.

A narrativa desses contidas possui características que remetem, ainda que longínqua e remotamente, ao estágio de vida da era pré-industrial. Nesta, a maneira de contar, de compartilhar e de repertoriar histórias integra os homens de uma comunidade em um universo totalizador. O narrador condensa experiências pessoais e coletivas, vivendo-as, colhendo-as e as transmitindo a outrem de maneira direta, de pessoa a pessoa, de geração a geração. Desta forma, constitui uma cadeia de conservação e de perpetuação da memória grupal ou comunitária.

A transmissão oral é, pois, uma das marcas da narrativa, fazendo da vivência a matéria-prima para a passagem sucessiva de histórias e enredos tradicionais. Estabelece-se aí uma comunhão entre o narrador e seus ouvintes, na mesma proporção que entre um artesão e seus aprendizes. O ato de contar carrega em si uma moral, traz nele um ensinamento, guarda consigo uma lição de sabedoria, de caráter utilitário e prático em boa parte das oportunidades. A equivalência da arte de narrar com o mundo dos mestres, dos sábios e dos artífices é um dos pontos chaves do argumento benjaminiano.

Em Magia e técnica, arte e política, assim o ilustra: “A antiga coordenação da alma, do olhar e da mão, que transparece nas palavras de Valéry, é típica do artesão, e é ela que encontramos sempre, onde quer que a arte de narrar seja praticada”. (São Paulo: Brasiliense, 1989, p. 221.)

Já o romance corresponde à vigência de um contexto histórico distinto. Se para György Lukács a criação romanesca constitui uma epopeia sem deuses, para Benjamin o romance é uma epopeia destituída de fala, sem voz, sem comunicação, sem experiência vital. Para tanto, o arco do romance do autor alemão se estende do cervantino Dom Quixote, no século XVI, até o flauberiano Educação sentimental, no século XIX. O romance, cuja ascensão foi historicizada de maneira minuciosa por Ian Watt em 1957, é a expressão literária da burguesia, quando as manifestações artesanais são suplantadas pela manufatura e pelo modo industrial capitalista.

O romancista é a culminância do indivíduo atomizado, isolado, do ser solitário carente de comunicação e incapaz de dar conselho. Distanciado de seus pares, está acima, mas dissociado do convívio com o seu leitor. Este, por seu turno, é aquela pessoa ávida por extrair da leitura de uma obra impressa algum sentido para a sua vida, pois ele próprio carece de realizações. A evasão do mundo destituído de significado permite ao romancista revelar a condição melancólica do homem burguês na sociedade moderna.

Em um livro do crítico brasileiro Álvaro Lins sobre um renomado escritor francês, A técnica do romance em Marcel Proust encontramos um exemplo ilustrativo do sentimento existencial do romancista moderno:

“A solidão de Marcel Proust, a que já aludimos no início desta obra, revela-se inteiramente no seu individualismo como na sua liberdade: ele não tinha nem ideologia, nem partido político, nem norma social, nem religião. Um espírito livre, porque solitário. Decidiu-se a exprimir a realidade de sua experiência vital, mas quando já não se sentia preso a qualquer das suas contingências. Fechara as portas do mundo” (Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1956, p. 177).

Lado a lado do romance, uma nova forma de comunicação se torna dominante com a consolidação da burguesia: a informação. A notícia, veiculada de modo primordial pelo jornal, não requer a transmissão de uma experiência ou de uma sabedoria, mas a verificação e a apreensão imediata dos acontecimentos diários. Por isto, a informação é uma dimensão fechada em si mesmo, passível de explicação pura, inconcussa e exata dos eventos ordinários, ao contrário da narração, inacabada e sempre franqueada à interpretação.

Com base nessas colocações de Benjamin, a análise das consequências da informação na relação entre a tradição oral e a escrita na contemporaneidade será o quarto e último passo dessa série, a ser publicada na próxima quinzena.

 

Edição      Enrique Shiguematu

Bernardo-Buarque-de-Hollanda-1024x213